Camp Mangueira oferece programas gratuitos de aprendizagem

Além de remeter a escola de samba Mangueira, as cores verde e rosa também representam o Círculo Dos Amigos do Menino Patrulheiro, popularmente conhecido como Camp Mangueira. A associação sem fins lucrativos localizada na comunidade da Mangueira no Rio de Janeiro tem o intuito de ajudar adolescentes e jovens há mais de trinta anos em um projeto que facilita a entrada deles no mercado de trabalho.

O Camp Mangueira possui projetos de integração ao mercado como o programa de aprendizagem, conhecido como jovem aprendiz, e programa de estágio. Todas as etapas dos programas oferecidos são realizadas com o auxílio de psicólogos visando sempre o melhor para o adolescente. Após a aprovação, eles são direcionados para a empresa em que o perfil do candidato seja o mais compatível possível.

A coordenadora Alessandra está sempre à procura de novas empresas para inserir seus alunos no mercado de trabalho (Foto: Nathália Gonçalves)

Coordenadora do projeto há 16 anos, Alessandra Regina de Almeida afirma que o Camp ajuda há 30 anos jovens que desejam ingressar no mercado e encontram dificuldade. De acordo com ela, quando o jovem deseja um emprego, existe um trabalho antes, que é a capacitação, e eles aprendem em algumas semanas, simples maneiras que ajudam a melhorar o seu comportamento.

Mesmo depois de inserido no mercado de trabalho, os jovens precisam retornar por pelo menos um dia da semana para ter o acompanhamento de diversos professores, que oferecem aulas de matemática, português, legislação, informática, entre outras. Além disso, cada aluno possui um supervisor na empresa e na própria instituição do Camp com objetivo de estar sempre acompanhando os alunos nessa jornada.

O técnico pessoal Valdemir auxilia na transformação dos futuros profissionais (Foto: Nathália Gonçalves)

O técnico pessoal Valdemir Góes, de 53 anos, vem trabalhando no Camp Mangueira com jovens aprendizes e estagiários há mais de sete anos. Quando sua chefe propôs que ele teria que passar seu trabalho e seu conhecimento para esses novos funcionários que estão sendo inseridos, sentiu um pouco de desconforto pois não sabia como agir com eles. Mas no decorrer do tempo, percebeu que os jovens possuem muita ânsia em aprender, o que facilita o trabalho. “Trabalhar com jovens é uma ótima experiência para quem está mais de 19 anos no mercado, pois todo dia se aprende algo novo com eles. Eu procuro me dedicar ao máximo quando estou ensinado eles pois hoje sou eu quem está passando o serviço, mas amanhã será o jovem”, relata.

Quem também faz parte, só que como aluna, é Gabriela Lima, 22 anos. Ela começou a procurar um emprego por vontade própria, mas encontrava muita dificuldade por falta de experiência, que é um dos principais requisitos solicitados por algumas empresas. “Estou encontrando minha independência financeira, poder sair e comprar roupas e outros itens sem pedir dinheiro aos meu pais é bem satisfatório”.

A maioria dos alunos do Camp mora em comunidades e conseguir um emprego para eles significa ajudar a família com as despesas, conseguir a independência e almejar um futuro diferente. Apesar do auxílio, existem alguns que não conseguem ficar até o fim do contrato que são de 16 meses no caso dos jovens aprendizes. “Quando vejo um jovem que começou aqui no Camp voltando e nos agradecendo pela oportunidade, sinto que todo o esforço vale a pena”, diz a coordenadora Alessandra.

As inscrições para participarem do Camp Mangueira podem ser realizadas através do site ou na própria instituição, que fica localizada na Rua Santos Mello, nº 73. Para maiores informações sobre os programas apresentados e inscrições acessem o site: https://campmangueira.org.br/ ou o telefone (21) 3297-7350.

Devido a pandemia em que o Estado do Rio de Janeiro se encontra as atividades no Camp estão suspensas enquanto durar o Decreto imposto pelo Ministério da Saúde e Educação, Secretárias Estaduais e Municipais.

Por Nathalia Gonçalves, Gláucia Baraúna, Victor Barbosa, Indaya (Oficina Multimídia em Jornalismo)