O cuidado com as crianças no isolamento social

Uma nova maneira de viver. É assim que alguns definem o momento atual da humanidade em virtude do novo coronavírus. O isolamento social estabelecido como medida preventiva ao contágio está sendo um processo duro vivido por todo o mundo, principalmente pelas crianças, que não podem mais sair para brincar com os amigos, ir à escola ou passear com os mais velhos. Vale destacar que elas, apesar de serem poucos os casos de mortes pelo Covid-19, não são imunes à doença.

Para algumas famílias, a maior dificuldade é ter que administrar a rotina de compromissos com os pequenos, como é o caso de Maria Natália de Barros Carneiro. A diarista está trabalhando durante a pandemia e se desdobra para cuidar da casa que tem quatro crianças: Ana Luiza, Júlia, Natan e Pedro. Ela comenta que os filhos querem ir à escola e para a casa dos avós mas, a partir da conversa que Natália teve com eles, explicando o momento, eles ficam mais tranquilos.

Natália diz que as crianças estudam na parte da manhã e depois brincam bastante e assistem TV. Esse período é de maior consciência social e também uma oportunidade de maior convivência entre pais e filhos. “Por causa desse isolamento estamos fazendo mais brincadeiras e jogos; isso quando tenho tempo depois do trabalho”, conta.

Conscientização na hora da brincadeira (Foto: Natália Barros)

A psicóloga Bárbara Caríssimo destaca que usar uma linguagem simples para falar sobre a pandemia e deixá-los expressarem seus sentimentos pode ajudar a diminuir a ansiedade. Por conta dessa liberdade de se expressar, é necessário que as crianças tenham tempo para tudo e não se sobrecarreguem. Ela recomenda às famílias tomarem todos os cuidados possíveis quanto ao vírus: lavar as mãos, usar máscara na rua e passar álcool em gel.

Não é o caso dos filhos de Natália mas para as crianças contaminadas é essencial evitar contatos, sobretudo com os mais idosos. Se possível, a criança deve usar máscara e ficar isolado no seu quarto. Caso a criança não possa usá-la, os pais devem colocar quando estiverem a menos de 2 metros de distância.

Vale lembrar que existem outros tipos de vírus respiratórios, além do novo coronavírus. Hoje, há priorização para pacientes internados com certa gravidade. É importante consultar o pediatra para conferir sinais e sintomas de uma suspeita para a tomada de decisão.

Por Douglas Barbosa (Oficina Multimídia em Jornalismo)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s